TRANSFORMAÇÃO DIGITAL DAS PME – O Projeto PME Digital

Partilhar

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Como Centro de Interface Tecnológica para as Tecnologias Digitais e Tecnologias de Produção, o ISQ tem como missão Promover a transferência tecnológica e a inovação nas empresas, nomeadamente através de processos de certificação, melhoria de qualidade e eficiência na produção, apoio a atividades de inovação, acesso a tecnologias em desenvolvimento e formação de recursos humanos. 

O ISQ é também membro do Comité Estratégico da Plataforma Portugal i4.0, a estrutura criada para coordenar a implementação das medidas da Estratégia Nacional para a Digitalização da Economia – Programa Indústria 4.0.

Por estes motivos e resultado da sua atuação no terreno, o ISQ identificou algumas barreiras que atualmente se colocam à transformação digital nas empresas, que motivaram a criação do projeto PME Digital:

   I.   Experiência limitada das PME. Tanto ao nível do conhecimento das implicações da transformação digital como para a adoção de ferramentas, tecnologias e metodologias inovadoras I4.0 que suportem a otimização dos processos e consequente diminuição dos custos operacionais.

   II.   Assimetria de informação. A falta de informação e a informação assimétrica nas diferentes dimensões das PME, sobre ferramentas tecnologias e metodologias no âmbito da I4.0, leva a que as PME, não só não levem em consideração os ganhos potenciais da sua adoção, mas também sobrestimem os custos e minimizem as vantagens competitivas correspondentes, havendo uma falta de clareza relativamente ao valor acrescentado da transformação digital.

   III.   Insuficiente capacidade e competência técnica. A larga maioria das PME não dispõe da capacidade/competências necessárias para identificar, avaliar e levar a cabo processos tendentes à implementação de soluções digitais. Em consequência, acabam por priorizar práticas com as quais se encontram já familiarizados, ou dependem do incentivo de fornecedores/clientes/financiamento disponível (banca, incentivos comunitários, etc.), para apostar em novas soluções.

   IV.   Escassez de dados sobre o estado atual. Existência de lacunas de informação relativamente ao estado atual relacionado com os estágios em que as PME se encontram e da distância ao paradigma da I4.0. A informação é relevante para orientar as políticas públicas, atividades específicas de I&D e fornecimento de soluções I4.0.

Por tudo isto, é particularmente importante para o ISQ promover iniciativas que acelerem a transformação digital e a adoção do paradigma da I4.0 por parte das PME. O ISQ tem privilegiado iniciativas que procurem dar resposta às falhas de mercado identificadas que se traduzam em fortes impactos positivos ao nível dos fatores críticos de competitividade.

 

O projeto PME Digital

O projeto PME Digital é cofinanciado pelo programa COMPETE2020 e visa capacitar, dotar de informação e incrementar as competências empresariais das PME para a transformação digital, fomentando a aceleração da Economia Portuguesa para uma Economia Digital nas fileiras do Automóvel, Materiais, Matérias-Primas e Comércio.

O propósito é o de capacitar as PME através do reforço das competências necessárias para fazer face aos fatores críticos de competitividade, em particular no domínio da inovação associada à transformação digital no contexto da I4.0. Pretende-se assim dar resposta a um conjunto de fatores críticos e falhas de mercado identificados, onde se destaca a insuficiente perceção das empresas relativamente aos benefícios que advirão da transformação digital e integração de ferramentas, tecnologias, métodos e modelos de negócio I4.0. Através do incentivo à transformação digital o projeto pretende impulsionar melhores práticas de gestão empresarial e métodos de produção e comercialização mais eficazes e inovadores.

As dimensões empresariais a abordar no projeto englobam: Liderança, Omni-experiência, Recursos Humanos e Competências, Modelo Operativo e Informação.

Liderança: Conjunto de áreas permite às PME desenvolverem uma visão para a transformação digital dos serviços e das experiências.

Omni-experiência: Esta dimensão descreve uma abordagem omnipresente e multidimensional ao ecossistema das PME necessária para amplificar a experiência dos produtos e/ou serviços.

Recursos Humanos: Esta dimensão abrange a evolução do modo como as PME irão alcançar os seus objetivos de negócio através da contratação, implementação e integração de recursos internos (funcionários a tempo inteiro e a tempo parcial) e externos (contratos, freelancers, parceiros).

Modelo Operativo: Esta dimensão descreve a capacidade de executar operações mais ágeis e eficazes, potenciando produtos/serviços, bens, pessoas e parceiros digitais. O Modelo Operativo define “como” é que o trabalho é executado em termos de transformação digital.

Informação: A transformação da informação é a abordagem focada na extração e desenvolvimento de valor e utilidade da informação relativa aos clientes, mercados, transações, serviços, produtos, bens físicos e experiências comerciais. As organizações transformadas tratam dados e informação como tratariam qualquer outro bem de valor.

O ISQ promove este projeto em conjunto com alguns parceiros da sua rede como o TICE.PT- Cluster para as Tecnologias de Informação, Comunicação e Eletrónica e a ESMAD- Escola Superior de Media, Artes e Design do Instituto Politécnico do Porto.

O TICE.PT representa um forte conhecimento de toda a cadeia de valor das tecnologias de comunicação, assegurando também as interfaces com as PME, o mundo académico e institutos de I&D. A ESMAD constitui uma entidade com fortes competências na área da produção de conteúdos digitais informativos e formativos um dos outputs relevantes previstos no projeto PME Digital. O Projeto conta ainda com a IDC como entidade de assistência técnica. A experiência e conhecimento da IDC ao nível do contexto internacional e no apoio às empresas na transformação digital será também essencial para alcançar os resultados do projeto.

Entidades como a Mobinov – Associação do Cluster Automóvel, Associação Plataforma para a Construção Sustentável e da Associação Cluster Portugal Mineral Resources, representam também entidades de apoio ao projeto e que facilitarão o conhecimento das fileiras e o contacto com as PME.

Um dos outputs mais importantes que o projeto pretende alcançar será a plataforma “HUB acelerador digital”, que por um lado facilitará o apoio às organizações nos processos de transformação digital e digitalização, e por outro a interação entre as PME, as entidades detentoras de conhecimento científico e as entidades fornecedoras de soluções.

Como outputs relevantes destacam-se também a disponibilização de uma ferramenta para a avaliação da maturidade para a transformação digital das PME nas dimensões empresariais referidas anteriormente; Conteúdos formativos e informativos; Estudos de benchmarking nacional e internacional no âmbito da transformação digital; Sessões de informação e sensibilização das PME, bem como um concurso onde algumas PME serão selecionadas para um diagnóstico detalhado da sua maturidade digital, que fornecerá um roadmap para a transformação digital em sintonia com a suas estratégias empresariais e objetivos de negócio.

 

Importância do Projeto PME Digital para a Economia Nacional

A Europa enfrenta atualmente importantes desafios relacionados com a necessidade de adoção do novo paradigma industrial, a indústria 4.0 com diferentes impactos quer ao nível de cada estado membro, a nível regional e a nível das empresas que compõe o tecido empresarial. Fazer face a estes desafios com políticas, incentivos e mecanismos adequados, privilegiando na inovação e as ferramentas e tecnologias I4.0, resulta em maior capacidade de gerar investimento local e consequentemente, novos empregos que.

Tendo por base a Estratégia Regional de Investigação e Inovação para a Especialização Inteligente (RIS3) e os Estudos setoriais – que se constituem como os quadros de referência para a definição das políticas regionais de desenvolvimento das regiões Norte, Centro e Alentejo – o projeto apresenta um forte contributo para as políticas definidas no que concerne à competitividade empresarial em fileiras estruturantes. Este contributo resulta do forte alinhamento com vários domínios prioritários da RIS3 Nacional como o automóvel, aeronáutica e espaço; habitat; materiais e matérias-primas, tecnologias de produção e indústrias de processo e produto e TIC.

No que concerne a intensidade dos impactos na competitividade critica local e regional para o Norte, Centro e Alentejo, destacam-se alguns dos resultados que se preconizam no projeto PME Digital:

   I.   Alteração de comportamentos face à importância da gestão empresarial, suportada em ferramentas e tecnologias I4.0, como um recurso crítico para a competitividade.

   II.   Capacitação dos empresários para a transformação digital e implementação de ferramentas, tecnologias, e metodologias I4.0.

   III.   Promoção de um maior espírito cooperante entre empresas do setor e entre estas e o Sistema Científico Tecnológico Nacional.

   IV.   O potencial de alavancagem junto dos setores-satélite das fileiras estudadas, a montante e a jusante.

   V.   A capacidade de transferibilidade do modelo deste projeto para outros setores e outras regiões.

   VI.   A projeção e visibilidade das fileiras abordadas para o País, que se prepara para a adoção da Indústria 4.0.

 

Importância do Projeto para as PME

As PME são espinha dorsal e o alicerce da maioria das economias e Portugal não é exceção. No entanto, para se manterem competitivas, têm constantemente de adaptar os seus produtos e serviços a mercados em permanente e acelerada mudança devido aos avanços tecnológicos e comportamentos dos consumidores. Adicionalmente, as PME têm o potencial de serem a fundação para um crescimento económico sustentável se lhes forem disponibilizadas as ferramentas e o suporte adequados.

No entanto, no contexto da I4.0, as PME são muitas vezes confrontadas com constrangimentos principalmente ligados aos elevados custos/riscos associados ao investimento necessário e à pouca informação disponível acerca da temática. Esta situação induz a uma falta de clareza por parte dos empresários relativamente aos benefícios que advêm da adoção de metodologias, tecnologias e ferramentas I4.0.

As preocupações relacionadas com a diminuição dos custos de exploração das PME, e com a necessidade de criação de produtos diferenciados para uma maior competitividade num mercado global, são por demais evidentes em particular nas pequenas empresas. Nestas empresas a minimização dos custos de exploração é essencial para uma permanência sustentada no mercado atual.

Neste contexto, a transformação digital das PME traduz-se como um dos principais fatores impulsionadores da competitividade empresarial, revelando-se uma resposta altamente eficaz para adoção de novas práticas de gestão.

 

Conclusão

A cadeia de valor digital assentará em novos modelos de negócio suportados por planeamentos colaborativos entre clientes, parceiros e fornecedores. Está experiência inovadora de cocriação com interação entre partes distintas deverá ser orientada para uma resposta digital efetiva. Esta resposta deve permitir acoplar e integrar soluções de conetividade e de gestão, capazes de orientar as PME na obtenção contínua de um negócio mais fiável, mais sustentável e mais competitivo.

Assumir este desafio, bem como entender a atual alteração de paradigma é fundamental.

 

 

 

JOSÉ MEDINA | DIRETOR, ISQ

José Medina é licenciado em Engenharia Eletrónica e de Telecomunicações com Pós-graduação em Engenharia da Qualidade pela Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto e Pós-graduação em Gestão, Economia e Gestão Empresarial pela AESE Business School. Iniciou a sua atividade no Instituto Eletrotécnico Português como técnico de laboratório. Em 1998 integra os quadros do ISQ como responsável pela Gestão dos Laboratórios de Metrologia Elétrica, Acústica e Ótica do Laboratório de Metrologia. De 2003 a 2008 foi responsável do Laboratório de Metrologia do ISQ. Desde 2009 é Diretor da Direção de Laboratórios do ISQ que engloba os Laboratórios de Metrologia, Laboratório de Química e Laboratório de Ensaios Elétricos e de Compatibilidade Eletromagnética. É também Presidente do Conselho de Administração do Centro Nacional de Embalagens, Gerente do Labmetro Espanha e Gerente do Labiagro – Laboratório Químico e Microbiológico.

 

Receba a Newsletter

Saiba as novidades na hora

Mais para Explorar

Sem categoria

Good News For Digital Transformation Laggards: It’s Not Too Late

Given all the media and analyst coverage about digital transformation these days, one can be forgiven for assuming their company is limping hopelessly behind the pack. However, it’s not too late to catch up, and as you do, it can be done in incremental spurts. Plus, even the digital dynamos are still confused and grappling

Sem categoria

Businesses Will Spend Nearly $1.2 Trillion on Digital Transformation This Year as They Seek an Edge in the Digital Economy, According to a New IDC Spending Guide

FRAMINGHAM, Mass., April 24, 2019 – Enterprises around the world are making significant investments in the technologies and services that enable the digital transformation (DX) of their business models, products and services, and organizations. In the latest update to its Worldwide Semiannual Digital Transformation Spending Guide, International Data Corporation (IDC) forecasts global DX spending to

Robotic maintenance repair fix concept.
Sem categoria

The Two Big Reasons That Digital Transformations Fail

Mike Sutcliff Raghav Narsalay Aarohi Sen October 18, 2019 Plenty of cash is flowing into digital initiatives at large, industrial companies. In fact, the executives we surveyed recently at 1,350 of these businesses globally reported investments in digital reinvention totaling more than $100 billion between 2016 and 2018. The problem is that the expected results

Precisa de ajuda a potenciar a Transformação Digital do seu negócio?

Fale connosco e conheça as soluções disponíveis

Scroll to Top
small_c_popup.png

Fale Connosco

Estamos Aqui Para Apoiar